.::TERCEIRA VIA::.

Esse blog tem como finalidade ser um espaço pra divulgação de idéias para o país, promovendo a propagação de boas intenções e fatos importantes. - Apartidário - Não prega nem segue ideologias - Não usa de ufanismos nem eufemismos

sexta-feira, maio 19, 2006

Terror assola São Paulo


Essa semana foi aterradora para o estado de SP, uma onda de ataques coordenados pela facção crimonosa PCC (Primeiro Comando da Capital), vitimou aproximadamente 45 policiais e parentes desde sexta feira passada (12/05/06).

Especula-se que o motivo do ataque foi desencadeado pel decisão do governo estadual de SP isolar as lideranças da facção, fato que desagradou o PCC.

Entre informações desencontradas, tragédias e hipocrisias desde sexta passada a polícia contabiliza a morte de 107 suspeitos clique aqui.


Número que quase se iguala ao famigerado "massacre do carandirú",

onde 111 detentos foram mortos depois de intervenção da tropa de

choque paulista para conter uma rebelião.

Coisas estranhas começam a se desenrolar nesse caso de terror em SP.
Especula-se que o governo estadual negociou o fim dos ataques com os líderes presos, fato que o governo nega, mais não sabe explicar a entrega de 28 tv's novas nos presídios paulistas (uma das exigências dos presos). clique aqui

O fato é de tamanha importância que levou o senado a apreciar leis de segurança que estavam engavetadas a muito tempo. clique aqui.

Mesmo com tudo isso a sensação em São Paulo é de medo e insegurança, boatos ainda circulam pela cidade levando escolas e instiuições diversas a fecharem as suas portas em meio a crise.

O clima de medo tomou tamanha proporção na capital que levou a cidade em meio as 17:00hs na segunda-feira se tornar um deserto, situação semelhante somente vista em feriados prolongados...

Infelizmente muitas vidas foram ceifadas em mais uma demonstração de descaso de nossas autoridades, não sabendo agir sobre a afronta da criminalidade.

Fica aqui os sentimentos a todas as famílias dos policiais militares, civil e bombeiros.


sexta-feira, maio 05, 2006

DVD ESCOLA


Um novo projeto tocado pelo Ministério da Cultura (MEC)
visa incrementar o ensino básico no país, a proposta consiste em enviar aparelhos de DVD e mídias com vários programas criados pela TV escola, com o intuito de dinamizar as aulas, uma atitude louvável dos nossos governantes, visto que temos um ensino público tão precário.
Atitudes dessa magnitude são mais que bem vindos, e incentivados.

Para conhecer o projeto e os números clique aqui

O analfabeto político


"O pior analfabeto é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.

Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão,

do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio, dependem das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia
a política.

Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta,
o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista,
pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."

Nada é impossível de Mudar


"Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.

E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de
hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem
sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural
nada deve parecer impossível de mudar."

Privatizado

"Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.

É da empresa privada o seu passo em frente,
seu pão e seu salário. E agora não contente querem
privatizar o conhecimento, a sabedoria,
o pensamento, que só à humanidade pertence."

Texto de Bertolt Brecht para ver textos do autor clique aqui
Para conhecer sua biografia clique aqui



Está na hora do Brasil acordar e deixar de ser um "analfabeto político"!

A Internacionalização do Mundo


Fui questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia, durante um debate, nos Estados Unidos. O jovem introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um brasileiro. Foi a primeira vez que um debatedor determinou a ótica humanista como o ponto de partida para uma resposta minha. De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia.

Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Respondi que, como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, podia imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a humanidade.

Se a Amazônia, sob uma ótica humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia é para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço. Os ricos do mundo, no direito de queimar esse imenso patrimônio da humanidade.

Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país.

Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar que esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, possa ser manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito, um milionário japonês decidiu enterrar com ele um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado.

Durante o encontro em que recebi a pergunta, as Nações Unidas reuniam o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu disse que Nova York, como sede das Nações Unidas, deveria ser internacionalizada.

Pelo menos Manhatan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro. Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.

Nos seus debates, os atuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do mundo tenha possibilidade de ir à escola.

Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar; que morram quando deveriam viver.

Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa.

Este artigo foi publicado também no Correio Braziliense em outubro de 2000. O debate a que se refere o senador (então ministro da educação) aconteceu em setembro do mesmo ano em um hotel de Nova York

Texto retirado do site pessoal do senador Cristovam Buarque clique aqui

quinta-feira, maio 04, 2006

Pizza na Câmara


Câmara absolve 10º deputado!
Depois de nove absolvições dos deputados envolvidos com o escândalo do mensalão (ou caixa dois) a câmara dos deputados absolve mais um acusado, o deputado Josias Gomes (PT-BA) .
Com esse já são dez o número de deputados absolvidos pelo plenário da câmara.
Fora as demonstrações de falta de respeito com o povo brasileiros com o caso da deputada Ângela Guadagnin (PT-SP) em sua dancinha da impunidade (links para o vídeo: 1- 2).
Com um plenário assim estamos bem...
LISTA DE ABSOLVIDOS
  • João Magno (PT-MG)
  • Wanderval Santos (PL-SP)
  • Pedro Henry (PP-MT)
  • Roberto Brant (PFL-MG)
  • Professor Luizinho (PT-SP)
  • Sandro Mabel (PP-GO)
  • Romeu Queiroz (PTB-MG).
  • José Mentor (PT-SP)
  • Câmara João Paulo Cunha (PT-SP)
  • Josias Gomes (PT-BA)

CASSADOS

  • Roberto Jefferson (PTB-RJ)
  • José Dirceu (PT-SP)
  • Pedro Corrêa (PP-PE)

RENUNCIARAM

  • Valdemar Costa Neto (PL-SP)
  • Carlos Rodrigues (PL-RJ)
  • Paulo Rocha (PT-PA)
  • José Borba (PMDB-PR)

Foram acusados 19 deputados pelo suposto esquema do mensalão (ou caixa dois), só resta mais uma fatia pra completar a pizza do plenário, o deputado Vadão Gomes (PP-SP) , alguém dúvida de mais uma absolvição?

Museu da Língua Portuguesa!






Foi inaugurado esse ano na capital de SP o museu da língua portuguesa.
Trata-se de uma parceria com empresas e o governo em um projeto interessante:

Destinado a língua e cultura brasileira o museu têm entre suas atrações o "beco das palavras" onde o visitante pode interagir com uma "mesa" que se transforma em um telão onde se pode "juntar" os pedaços que flutuam sobre a mesa e formar palavras.

Muito interessante!

Quem se interessar pode acessar uma matéria sobre o beco das palavras aqui

O museu se encontra Praça da Luz nº 01, Luz São Paulo :: Horário: Terça a Domingo 10h-18h.
Entrada: R$ 4,00
Estudantes: R$ 2,00

quarta-feira, maio 03, 2006

Qüinqüênio da Alfabetização


Cristóvam apresenta projeto para erradicar analfabetismo no Brasil em cinco anos

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) apresentou nesta terça-feira, no Senado, projeto para abolir o analfabetismo no Brasil.

Segundo o projeto, deve ser instituído no Brasil o Qüinqüênio da Alfabetização: em cinco anos todos os jovens e adultos no Brasil devem ser capazes de ler e escrever.

"Trata-se de uma reparação àqueles que foram e são vítimas de uma espécie de tortura: o analfabetismo na vida adulta, responsável por alijar esses cidadãos do acesso aos bens proporcionados pela educação", ressalta o senador.

Chamado de “Programa Incentivo-Alfa”, o projeto apresentado por Cristovam prevê ainda que a União pague R$ 350 para cada pessoa que cumprir com sucesso programa de alfabetização.

"O programa precisará de cerca de R$ 700 milhões por ano. Recursos que equivalem a menos da metade do custo da indenização que é paga aos que foram perseguidos politicamente durante a ditadura militar", explica Cristovam.
( link da matéria completa no título).

*******************************

Shark: Muito se fala do assistencialismo aos menos favorecidos, o humilde criador desse blog acredita efetivamente que sejam essas medidas necessárias, pois como dizia o nosso Ministro Patrus Ananias (que também foi ouvida de terceiros), "A fome não pode esperar!".

Concordo, a fome não pode esperar, mais somente perpetuar o povo em uma medida assistencialista, que em certos momentos pode ser considerada eleitoreira também não é interessante.

Apoio idéias como essa do Senador Cristovam Buarque, sim precisamos alimentar o nosso povo, mais ao mesmo tempo ensina-los, mostrar uma porta de saída.

Existe aquele velho ditado: "Não adianta dar o peixe e sim ensinar a pescar"
Pois eu acredito em um outro ditado: "Daremos o peixe por um tempo, enquanto isso lhe ensinaremos a pescar, por fim você desbravará os mares com mais confiança!"

Esperamos que tal medida seja aprovada no senado!